Outras formas de visualizar o blog:

quinta-feira, 23 de abril de 2009

O espírito épico deu alma às catedrais medievais

Beauvais, catedral São Pedro
O espírito épico é como um prisma que permite interpretar a Idade Média.

Os historiadores hodiernos, entretanto não sabem discerni-lo. E nos seus relatos esse espírito épico está volatilizado.

Entretanto, este é verdadeiramente o prisma para estudar a Idade Média.

Cada vez mais nós estamos caindo em estudos de caráter puramente historicista, e econômico, e político. Mas desprovidos de alma.

O resultado é que o aluno sente confusamente que o historiador no pegou o fundo da coisa, não entendeu a alma da Idade Média. Então, o estudo fica cassetérrimo.

Os medievais trabalhavam com espírito épico. Esse espírito está presente até na hora de fazer um campanário ou uma catedral.

Eles, então, faziam uma obra para lá de arrojada em relação aos meios do tempo.

Não só arrojada como proporções, mas arrojada como qualidade.



Reims, pórtico interior da nave centralPor exemplo, nunca antes deles houve quem se entregasse ao ideal de transformar uma pedra numa renda.

A renda e a pedra são dois extremos opostos. Transformar pedra em renda é um arrojo medieval.

Como também pegar um pedaço de Céu e fixá-lo numa parede criando um vitral.

Esse foi outro dos muitos arrojos medievais.

Onde está o épico da catedral ou do vitral? Em construí-los desinteressadamente, com o único intuito de dar glória a um ideal.

Eles agiam como uma formiguinha que arrasta pedras para que esse ideal de beleza vencesse.

E o faziam com entusiasmo.

Assim realizavam algo quase inverossímil. Nisto está precisamente o épico.

É o épico, porque é uma coisa que exige um esforço levado ao máximo, para um ideal que está no extremo limite do concebível pelo homem, com uma desproporção de meios tremenda, e um desinteresse completo.

Aí está a definição seca, arqueológica e esquelética, mas verdadeira, do épico medieval.

E do épico bem entendido de todas as épocas.

(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, 10 de abril de 1972. Sem revisão do autor)

Desejaria receber as novas postagens de 'Catedrais Medievais' em meu Email gratuitamente

GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVAL

Um comentário:

  1. Sem duvidas todas as catedrais foram feitas com mãos humanas, mas com o dedo de Deus!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.