Outras formas de visualizar o blog:

terça-feira, 30 de junho de 2020

Ruínas da abadia de Beauport evocam as Lamentações do profeta Jeremias

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A abadia de Beauport está situada em Kérity, Paimpol, na antiga Bretanha, França.

Ela foi fundada em 1202 pelo conde de Penthièvre e de Goëlo, Alain I d’Avaugour.

O conde chamou aos cônegos regulares premonstratenses da abadia da Santíssima Trindade da Lucerna, na vizinha Normandia.

Os premonstratenses foram fundados por volta de 1120 pelo arcebispo de Magdeburgo, São Norberto de Xanten.

Um século depois a ordem contava mais de 600 casas instaladas desde a Irlanda até Chipre e desde a Suécia até Itália.

Para erigir uma abadia era preciso dinheiro e terreno.

O conde de Penthièvre doou aos Premonstratenses um terreno sobre uma pedra junto ao córrego Correc e uma zona de pântano conhecida como “pradaria dos marrecos”.

Mas os monges logo perceberam que o local se prestava para um “belo porto” (o “beau port” que originou seu nome).

Em 1203, o Papa concedeu-lhes numerosos privilégios e os religiosos iniciaram a construção do mosteiro. Eles garantiam o atendimento das paróquias vizinhas.

Os Papas acompanhavam zelosamente o trabalho dos monges.

Prova disso é que em 1207, o Santo Padre escreveu ao abade de Beauport exortando-o a preservar a língua local, o bretão e só nomear para as paróquias padres que falassem essa língua.

A abadia foi muito próspera nos séculos XIII e XIV, e ainda no XVII e no XVIII.

A crise desencadeada pelo libertinismo laicista que deu na Revolução Francesa foi esvaziando-a de vocações.

Por fim, o laicismo tirou sua máscara liberal e voltou-se furiosamente contra a Igreja Católica e suas maiores manifestações, muitas e muitas vezes geradas na Idade Média.

Assim, a revolução de 1789 fechou a abadia em 1790. Desde então, o prestigioso prédio foi sendo depredado para tirar material de construção.

As ruínas falam da grandeza passada.

Sobre elas pode bem se rezar a Oração e as Lamentações que o profeta Jeremias fez a propósito das ruínas de Jerusalém (trilha sonora do vídeo embaixo).

Nesta perspectiva, a destruição não consegue apagar a esperança inabalável que um dia essas ruínas reviverão como Jerusalém após o longo cativeiro de Babilônia.

Porque a alma delas é imortal: é a própria Santa Igreja Católica Apostólica e Romana.

(Fonte: Wikipédia)

Vídeo: Abadia de Beauport
CLIQUE NA FOTO





GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS ORAÇÕES HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

2 comentários:

  1. é pena estar em ruinas... porque não o restauram... teriam mais visitar...
    ta fixe o video

    ResponderExcluir
  2. Como é cheia de beleza e grandeza a história das Abadias europeias!

    Que pena que essa Abadia acabou em ruínas. Mas, como o senhor disse, que um dia ela possa ressuscitar.

    E que o Brasil também possa ter mosteiro e Abadias que sejam focos difusores de santidade!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.